BLOG

Desafios do Treinamento
- Dr. Paulo Meade Treviño

A grande maioria dos nossos professores tem uma auto-formação como professores e sua seleção é dada por mecanismos diferentes, suas exposições em cursos e conferências são feitas de uma forma que poderíamos chamar tradicional. Em nenhuma época da humanidade, a informação e o conhecimento estão disponíveis a todos, como no tempo presente, com a possibilidade de nos atualizar em praticamente todos os campos do conhecimento. Temos várias opções, muitas delas online e gratuitas; o que dá ao professor a não exclusividade do conhecimento, o que gera novos desafios para que suas intervenções sejam atrativas e impactantes entre seus alunos, principalmente quando esse processo é realizado entre pares.

Os professores devem ter elementos suficientes para abordar as questões com uma nova abordagem; eles exigem um perfil diferente do usado nas últimas décadas, devemos expandir nossa visão, encontrar formas interdisciplinares dentro dos conteúdos que ensinamos.

Basta perguntar-se: Quem dos nossos professores tem formação formal em Andragogia? Por outro lado, a auto-educação do professor, embora responda diretamente aos interesses dos professores, é um recurso complexo, mas não é mais necessário esperar que nossas instituições de ensino gerem cursos, cursos de diploma e outras atividades de treinamento para atualizar eles.

Uma estratégia de ensino útil é a abordagem de questões atuais de interesse comum, confinadas à realidade e de aplicabilidade imediata no campo profissional; mas desenvolver ou fortalecer competências ao mesmo tempo para os grupos reais de trabalho, ou seja, interdisciplinaridade, neste novo contexto mundial, essa abordagem dos conteúdos acadêmicos tornou-se uma necessidade, caso contrário nossas equipes humanas não estarão preparadas para atuar em um ambiente que é cada vez mais complexo. O próprio aluno identifica-o naturalmente, razão pela qual ele é muito bem sucedido com a implementação de workshops e simulações em suas áreas de atuação diária. Hoje na área de ginecologia e principalmente obstetrícia,

Distância e treinamento em massa não é mais o futuro, é parte do presente; Pode-se dizer que essa modalidade de ensino-aprendizagem requer não apenas suporte tecnológico e interconectividade, mas também materiais didáticos e uma atualização permanente de ensino que permita aos professores desenvolver habilidades especiais para ensinar com sucesso esse tipo de ensino.

É sempre bom lembrar que o objetivo de nossas intervenções como professores é a aquisição de conhecimentos, habilidades, habilidades e competências sustentadas que geram uma mudança no comportamento profissional, de seu ambiente e que, por fim, impactam no cuidado e bem-estar de nossos profissionais. Mulheres latino-americanas.

Dr. Paulo Meade Treviño Coordenador do Comitê de Saúde da Mãe FLASOG